Um grupo de pessoas com objetivos não é uma equipa

Um grupo de pessoas com objetivos não é uma verdadeira equipa. Equipas de alto desempenho são constituídas por pessoas que querem progredir juntas, que têm regras internas de interação e que dão mais atenção ao processo do que ao resultado.

Alguma vez trabalhou numa equipa em que cada um dos seus elementos remava para seu lado e, aparentemente, perseguia objetivos diferentes?

Um grupo de pessoas não é uma equipa apenas por ter objetivos

Um grupo de pessoas a trabalhar no mesmo projeto, não pode ser considerado uma equipa. Só o passa a ser quando, todos, sem exceção, partilham o desejo mútuo de o concretizar, estabelecem metas mensuráveis que indicam o progresso e definem regras concretas para a interação entre os seus elementos.

Todos têm que saber como se comportar uns com os outros

Para que uma equipa funcione, as pessoas devem saber como se comportar umas com as outras e concordarem com um conjunto de regras de comportamento específicas de interação dentro do grupo. Os ambientes tóxicos, são muitas vezes consequência, de regras vagas ou inexistentes, fazendo com que todos os comportamentos sejam permitidos.

Cada pessoa deve procurar obter um conhecimento profundo sobre cada um dos restantes membros –  forças, fraquezas e hábitos. Assim, torna-se mais fácil para todos interagir, solicitar a colaboração e retirar o melhor de cada um dos colegas.

O exemplo do banco HSBC

Um manager sénior do banco internacional HSBC ficou conhecido por alavancar a performance dos piores balcões regionais através da definição de regras de interação claras para equipa.

Ele reunia todos os managers e levava-os a concordar, primeiro, sobre o que gostariam de conquistar em conjunto e, depois, sobre que métricas e processos os levariam ao sucesso. Mesmo que tivesse dezenas de managers numa sala, tentaria que encontrassem um objetivo que fizesse sentido para todos e que fosse complementar aos objetivos previamente definidos pela instituição.

A atenção deve estar no processo e não apenas nos resultados

De certeza que já lidou com um vendedor, tão focado em fazê-lo comprar algo que descurou completamente a sua real necessidade. Porque razão esses vendedores falam tanto e ouvem tão pouco? Simples. Porque o seu foco está no resultado (vender) e não no processo.

Analisar o processo para sempre

O sucesso deve ser medido pela forma como o processo funciona. Esta é a única forma de encorajar o aperfeiçoamento, mesmo quando as coisas ficam mais complicadas. Quando o foco está nos objetivos e o sucesso não acontece, a ansiedade e a desmotivação tende a apoderar-se das pessoas.

Por exemplo, enquanto algumas equipas de remo calculavam o seu sucesso pelo resultado das corridas – que levava a maior à frustração , a equipa do campeão olímpico de remo Ben Hunt-Davis media o sucesso pela qualidade dos processos – isto é, pelo aperfeiçoamento contínuo nos diversos aspectos do treino. Foi a obsessão diária pelo processo (e consequente aperfeiçoamento) e não o resultado, que fez com finalmente obtivessem uma grande vitória.

Um grande objetivo pode ser orientador, no entanto, apenas o alinhamento gerado por regras internas de interação e por um foco continuo no processo, transforma um grupo de pessoas numa equipa de alto desempenho.

Subscrever a Newsletter